Rondônia, Mato Grosso, Pará e Maranhão são os estados mais atingidos

Tema debatido desde o começo do ano por diversos estudiosos e até mesmo por pessoas do meio artístico, fizeram com que os olhos dos brasileiros se voltassem para maior floresta de mata atlântica do mundo: a Amazônia.

Segundo especialistas, desde o início das queimadas, dobraram signitivamente o número de crianças internadas com problemas respiratórios. Registros do Sistema Único de Saúde, mostraram um aumento de quase 2,5 mil crianças em comparação a média esperada.

Por possuírem um sistema imunológico mais sensível e um sistema respiratório ainda em desenvolvimento, quando expostas a um meio com alto índices de poluição, com uma umidade baixa, ficam doentes rapidamente.

Áreas de maior risco

Dentre os estados mais afetados pelas queimadas, entram no ranking: Maranhão, Pará, Mato Grosso e Rondônia. Alguns de seus municípios estão classificados em “estado de alerta”, isso porque seus números tornaram-se cinco vezes maiores; um bom exemplo são as cidades de Santo Antônio do Tauá e Bannach, no Pará, Comedouro, no Mato Grosso e Santa Luzia d’Oeste, no estado de Rondônia. Outros números alarmantes também acercam o estado de Roraima, registrando cerca de 2.398 mortes.

Sobrevivência indígena  

Estudos recentes voltaram-se para a população que mais tem sofrido os impactos da poluição causada pelas queimadas. Não se faz possível registrar em números a incidência de doenças respiratórias nessas áreas, devido ao aumento acelerado e contínuo; infelizmente, os gases poluentes têm alcançado grandes distâncias.

Moradores de terras indígenas acabam por desempenhar um papel de proteção com mais ênfase contra os possíveis ataques. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui