Cores amarelo, laranja e vermelho indicam estado de alerta, risco médio e alto risco; para definir o patamar são utilizados nove indicadores em dois critérios: propagação da doença e capacidade de atendimento. Sistema de bandeiras contra a Covid-19 em Curitiba
A Prefeitura de Curitiba implantou nesta terça-feira (9) um sistema de bandeiras com três cores para definir a situação da pandemia do novo coronavírus no município e, a partir daí, definir possíveis restrições no funcionamento de serviços e empresas.
CORONAVÍRUS NO PARANÁ: Veja as principais notícias
DÚVIDAS: Perguntas e respostas sobre o assunto
BEM AQUI: RPC tem plataforma com estabelecimentos e serviços que estão atendendo
A cidade começou o monitoramento na cor amarela, que indica estado de alerta. A cor permite a maior abertura. Nesta terça, a capital registra 1.357 casos confirmados da Covid-19 e 62 mortes, de acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).
Amarela (nível 1): sinal de alerta constante e demonstra que a situação está fora da normalidade. Nesse estágio, todos os estabelecimentos que estiverem funcionando devem adotar as medidas de precaução anunciadas e orientadas, cumprir todas as orientações do protocolo de responsabilidade sanitária e social.
Laranja (nível 2): risco médio de alerta, onde haverá restrições ao funcionamento de serviços e do comércio e áreas que propiciam a aglomeração de pessoas.
Vermelha (nível 3): risco alto e de alerta total, havendo restrição à circulação de pessoas, permitindo apenas o funcionamento dos serviços essenciais.
Segundo a prefeitura, as medidas a serem tomadas em cada nível constam no Protocolo de Responsabilidade Sanitária e Social. A avaliação será feita diariamente, e o resultado é decorrente da média ponderada do peso de nove indicadores, em dois critérios. Veja mais abaixo.
A secretária de Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, afirma que mesmo o nível mais baixo não significa uma situação de normalidade na cidade.
“Estamos enfrentando uma pandemia e, em decorrência disso, precisamos estar permanentemente em alerta e com medidas que reforcem o controle da transmissão do vírus”, explica. “Não podemos descuidar em nenhum momento”, diz.
Funcionamento de atividades conforme a bandeira, em Curitiba
Prefeitura de Curitiba/Divulgação
Critérios
Nível de propagação da doença:
Número de casos confirmados nos últimos sete dias em comparação com o mesmo período anterior;
Número de internados por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no último dia em comparação com o número de sete dias atrás;
Número de pacientes Covid-19 confirmados em leitos de enfermaria no último dia em comparação com o número de sete dias atrás;
Número pacientes Covid-19 em UTI no último dia em comparação com o número de sete dias atrás;
Número de confirmados nos últimos sete dias a cada 100 mil habitantes;
Número de óbitos nos últimos sete dias a cada 100 mil habitantes;
Capacidade de atendimento da rede de saúde:
Número de leitos de UTI disponíveis no último dia;
Número de leitos de UTI disponíveis no último dia para atender Covid-19 em relação ao mesmo número de sete dias atrás;
Número de leitos de enfermaria disponíveis no último dia para Covid-19 em relação ao mesmo número de sete dias atrás;
Protocolos de medidas essenciais
O Protocolo de Responsabilidade Sanitária e Social de Curitiba também unifica as regras estabelecidas pelo Comitê de Técnica e de Ética Médica da Secretaria Municipal da Saúde, que estão distribuídos em 17 protocolos específicos para serviços. Confira o protocolo de prevenção.
Assim, segundo a prefeitura, as regras passam a constar em um único documento, reforçando o cumprimento e a responsabilidade essenciais de prevenção e cuidados durante o período de pandemia.
Veja mais notícias do estado no G1 Paraná.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui