Resultado de abril evidencia o impacto da Covid-19 na economia no primeiro mês completo com restrições de mobilidade e isolamento social. O Indicador de Atividade Econômica (IAE-FGV) aponta retração de 8,8% da economia em abril, em relação a um mês antes. Sobre igual período de 2019, o IAE registra recuo de 12,9%. As quedas são as maiores, nas duas comparações, de toda a série do índice, iniciada em 2000.
O número, ressalta a FGV, evidencia o impacto da Covid-19 na economia no primeiro mês completo com restrições de mobilidade e isolamento social.
“Os maiores impactos negativos foram sentidos nas atividades industriais e de serviços, que apresentaram recordes de retração em abril, na análise interanual”, diz a FGV em nota.
Desempenho da economia
Economia G1
Na indústria, os recuos mais acentuados foram no setores de transformação e construção. Entre os serviços, os maiores impactos foram no comércio, em outros serviços e nos transportes.
No trimestre móvel, o indicador aponta retração de 5,8% até abril, em relação ao trimestre findo em janeiro e de 4,5% na comparação interanual.
O IAE-FGV é um indicador que antecipa a tendência da economia brasileira a partir da divulgação de três versões com base na divulgação das principais pesquisas mensais de atividade divulgadas pelo IBGE — PIM (indústria), PMC (comércio) e PMS (serviços).
PIB do G20 tem a maior contração da história, revela OCDE

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui