Mãe foi detida suspeita de ser conivente com crime contra filha, de 10 anos. Homem admitiu que abusos ocorriam há 5 anos e alegou que ato era forma de obrigar mulher a dizer com quem teria falado em ligação telefônica. Casal foi levado para a Delegacia de Jaraguá
Polícia Civil/Divulgação
Um casal foi preso suspeito de estupro contra a própria filha, de 10 anos, em Jaraguá, região central de Goiás. Segundo a Polícia Civil, o homem confessou que abusava da criança há cinco anos e que chegou a gravar um vídeo do crime. A mãe, por sua vez, foi detida pela acusação de ser conivente, por saber dos atos e não tomar nenhuma providência.
O G1 não conseguiu localizar a defesa do casal até a publicação desta reportagem.
A corporação informou que a investigação teve início após o homem ser preso em flagrante e conduzido à delegacia suspeito de injúria contra a esposa.
Na ocasião, a mulher foi ouvida como testemunha e acabou revelando os abusos. Disse que um parente chegou a flagrar o marido e a filha nus assistindo a um filme erótico e que a própria criança havia lhe relatado sobre os abusos.
A mulher contou ainda já ter vistos fotos do esposo e da criança nuns na cama. Questionada porque não denunciou o caso, ela disse que era ameaçada.
Confissão
De acordo com a polícia, em depoimento, o homem confessou o crime e o relatou com detalhes. Alegou que abusava da filha desde que ela tinha cinco anos de idade.
Sobre a motivação, afirmou que o estupro era uma forma de “forçar” a esposa a contar com que ela teria conversado durante uma conversa telefônica realizada anos atrás. A polícia não informou detalhes sobre essa ligação.
O suspeito também admitiu que gravou um vídeo do estupro com o intuito de fazer a mulher a revelar com quem teria conversado na ligação, mas ela não contou. A mulher nega ter visto a gravação.
A polícia apura se o homem também teria abusado dos outros dois filhos menores, situação mencionada pela esposa.
O casal irá responder pelo crime de estupro de vulnerável, cuja pena pode ultrapassar 15 anos em caso de condenação.
Veja outras notícias da região no G1 Goiás.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui