Na quarta-feira, a moeda norte-americana fechou em alta de 0,46%, vendida a R$ 5,2607. Notas de dólar
pasja1000/Creative Commons
O dólar opera novamente em alta nesta quinta-feira (18), voltando a superar o patamar de R$ 5,30, após decisão do Copom de reduzir taxa básica de juros de 3% para 2,25%, como o esperado pelos mercados, e de olho no noticiário político local após a prisão Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro.
Às 9h12, a moeda norte-americana subia 1,28%, vendida a R$ 5,3280. Na máxima até o momento, bateu R$ 5,3440. Veja mais cotações.
Na véspera, o dólar fechou em alta 0,46%, a R$ 5,2607, engatando a sexta alta consecutiva. No mês, o dólar ainda acumula queda, de 1,42%. No ano, a alta é de 31,20%.
Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, é preso em Atibaia, SP
Cenário local
No noticiário local, o destaque desta quinta-feira é a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro. O policial aposentado foi detido em um imóvel do advogado do parlamentar e da família Bolsonaro, em Atibaia (SP), em um desdobramento da investigação sobre ‘rachadinhas’ na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).
Na véspera, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) reduziu a taxa básica de juros da economia brasileira de 3% para 2,25% ao ano. Esta foi a oitava redução consecutiva. A decisão foi unânime. O corte renovou o menor patamar histórico para a taxa Selic desde 1999, quando entrou em vigor o regime de metas para a inflação.
O corte de 0,75 ponto percentual na Selic veio dentro do esperado pelo mercado financeiro e a avaliação de economistas ouvidos pelo G1 é de que o BC deixou a porta aberta para um novo corte nos juros à frente, ainda que tenha considerado a última redução “compatível” com os impactos econômicos da pandemia de Covid-19.
Com Selic a 2,25%, poupança passa a render 1,58% ao ano e 0,13% ao mês
Nos últimos meses, o cenário de juros baixos no Brasil tem colaborado para alta da moeda norte-americana, uma vez que reduz os rendimentos de ativos locais atrelados à Selic, afastando o investimento estrangeiro.
Copom reduz a taxa de juros e abre possibilidade para novos cortes
Cena externa
No exterior, a cautela permanece, com um pico nos casos de coronavírus na China e em alguns Estados norte-americanos desencadeando receios de uma segunda onda de contágio, fazendo recuar as esperanças de uma rápida recuperação da recessão econômica.
Os investidores aguardam nesta quinta também a divulgação do relatório semanal de pedidos de auxílio-desemprego nos EUA.
Já os preços do petróleo operam em alta. Por volta das 8h35, o barril de Brent subia 1,15%, a US$ 41,18. Já o petróleo dos Estados Unidos avançava 0,82%, a US$ 38,27 por barril.
Dólar em 17.06.2020
Economia G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui