Segundo delegado, mulher de 82 anos não conseguia se levantar do sofá em que estava e contou que sofria pressão psicológica. Ela morava com a neta. Idosa é resgatada vítima de maus-tratos, em Anápolis
Uma mulher de 82 anos, que vivia em condições de abandono, foi resgatada por policiais após uma denúncia anônima, em Anápolis, a 55km de Goiânia. Segundo a Polícia Civil, a idosa morava com a neta de 34 anos, que não comprava alimentos regularmente nem oferecia cuidados médicos à avó.
Por não ter o nome divulgado, a reportagem não conseguiu localizar a parente da idosa para que se posicionasse sobre o caso.
Segundo a Delegacia Especializada no Atendimento ao Idoso (Deai) de Anápolis, a idosa foi resgatada na tarde da quinta-feira (18). A corporação informou que ela não conseguia se levantar do sofá em que estava e contou que sofria pressão psicológica, que não tinha se alimentado durante todo o dia e que não se lembrava de quando havia feito a última refeição.
“Ela não havia feito nenhuma refeição e não se lembra da hora que comeu no dia anterior. Ela disse que é agredida psicologicamente com ameaças e injúrias e não faz nenhum tratamento médico”, conforme informou o titular da Deai, delegado Manoel Vanderic, à assessoria da Polícia Civil.
Ainda de acordo com a corporação, a neta era quem recebia a aposentadoria da avó. Os policiais relataram que a casa foi encontrada sem nenhum tipo de estrutura ou limpeza.
Nas fotos divulgadas pela polícia é possível ver que dentro da geladeira da residência só havia uma lata de margarina e um pedaço de goiabada. Já no fogão havia panelas sujas e vazias.
Segundo a equipe da Deai, a idosa foi transferida para um lar de cuidados na manhã desta sexta-feira (19). A neta deve ser indiciada por apropriação de aposentadoria, injúria e maus-tratos.
Idosa é resgatada vítima de maus-tratos, em Anápolis
Divulgação/ Polícia Civil
Veja outras notícias da região em G1 Goiás.
*Jamyle Amoury é integrante do programa de estágio entre TV Anhanguera e Faculdade Sul Americana (Fasam), sob orientação de Elisângela Nascimento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui