Ibovespa teve queda de 1,19%, a 97.761 pontos. O principal índice da bolsa de valores brasileira, a B3, fechou em queda nesta terça-feira (7), em sessão de ajustes após um começo de semana forte, tendo de pano de fundo viés mais negativo nos mercados acionários no exterior.
O Ibovespa teve queda de 1,19%, a 97.761 pontos. Veja mais cotações.
Na segunda, a bolsa fechou em alta de 2,24%. Com o resultado de hoje, a alta no mês é de 2,85%. No ano, a bolsa ainda registra saldo negativo, com queda de 15,46%.
O dólar fechou em alta nesta terça, chegando a bater R$ 5,40 pelos temores sobre efeitos econômicos de novos bloqueios pontuais em alguns países para conter o aumento de casos de coronavírus. Ao fim do pregão, a moeda norte-americana subiu 0,60%, cotada a R$ 5,3833.
Análise
“Após um início impressionante da nova semana de negociação, os mercados de ações (no exterior) mostraram alguma consolidação na madrugada”, observou o analista Milan Cutkovic, da AxiCorp.
“No entanto, o sentimento do mercado permanece positivo e ganhos adicionais parecem prováveis no curto prazo. Os participantes do mercado continuam otimistas de que o pior já passou”, acrescentou, em nota a clientes.
O sentimento fez com que as ações de blue-chips da China subissem mais uma vez, pelo sexto dia seguido. Foi a máxima de mais de cinco anos, mas as ações perderam fôlego com a realização de lucros.
O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, avançou 0,63%, no nível mais alto de fechamento desde 25 de junho de 2015. O índice de Xangai teve alta de 0,37%, no encerramento mais alto desde 6 de fevereiro de 2018.
Na Europa, além de aproveitar as altas dos últimos dias, investidores ficaram mais apreensivos com declaração da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) de que o desemprego nos países desenvolvidos atingirá o nível mais alto desde a Grande Depressão.
O índice Stoxx 600 encerrou o dia em queda de 0,61% e o FTSE 100, de Londres, perdeu 1,53%. O DAX, de Frankfurt, recuou 0,92%. Em Paris, o CAC 40 cedeu 0,74% e os índices de Milão e Madrid fecharam em queda de 0,10% e 1,44%, respectivamente.
Internamente, o radar esteve apenas a confirmação pelo presidente Jair Bolsonaro de que ele testou positivo para Covid-19.
Variação do Ibovespa em 2020
G1 Economia