‘Caminho para a recuperação ainda está pavimentado de incerteza’, afirmou comissário europeu. A economia da zona do euro registrará contração de 8,7% em 2020, anunciou nesta terça-feira (7) a Comissão Europeia, que piorou sua previsão anterior e alertou para os “riscos excepcionalmente altos” vinculados ao coronavírus e ao Brexit.
“O alcance e a duração da pandemia e das futuras possíveis medidas de reclusão necessárias continuam sendo uma incógnita”, afirma Bruxelas em sua previsão, que não leva em consideração uma possível “segunda onda” de contágios.
A Comissão, que em maio previu uma queda “histórica” do conjunto das 19 economias que compartilham a moeda única a 7,7% do Produto Interno Bruto (PIB), calcula agora uma contração similar à prevista pelo Banco Central Europeu (BCE).
O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê uma queda ainda mais intensa na Eurozona, de 10,2% em 2020, acima dos 8% previstos para Estados Unidos e longe do panorama mais promissor da China, que deve registrar crescimento de 1% este ano.
Após meses de confinamento desde março para conter a pandemia, que matou quase 200 mil pessoas na Europa, os países europeus estão em plena abertura para tentar salvar a lucrativa temporada de turismo.
Europa teme a chegada de uma segunda onda de Covid-19
Países
Por países, a contração do PIB da França, Itália e Espanha, as principais economias do bloco depois da Alemanha, deve superar dois dígitos em 2020, a 10,6%, 11,2% e 10,9%, respectivamente, de acordo com as novas previsões.
O Executivo comunitário melhorou em dois décimos a previsão anterior para a Alemanha, maior economia europeia, a -6,3%. A economia de Portugal deve registrar contração de 9,8% do PIB em 2020.
“O prognóstico de verão mostra que o caminho para a recuperação ainda está pavimentado de incerteza”, afirmou o comissário europeu da Economia, Paolo Gentiloni, para quem a economia iniciou uma “recuperação cautelosa”. “Não devemos pensar no risco de que a experiência da gripe espanhola se repita, e sim na possibilidade de conviver um certo tempo com o perigo de um foco local”, explicou Gentiloni.
“O risco de uma divergência (entre países) cada vez maior foi a razão para propor um plano de recuperação comum”, completou o italiano, que pediu aos líderes da União Europeia (UE)a aprovação do projeto.
Nas previsões de verão (hemisfério norte), a Comissão Europeia não leva em consideração o plano de recuperação, que os governantes da UE, envolvidos nas negociações, ainda precisam aprovar.
Uma reunião de cúpula está prevista para os dias 17 e 18 de julho em Bruxelas, a primeira presencial desde o confinamento, para discutir o plano de 750 bilhões de euros (US$ 840 bilhões) proposto pela Comissão Europeia.
“A falta de um acordo sobre a futura relação comercial entre o Reino Unido e a UE também pode provocar um crescimento menor”, destaca Bruxelas, que recorda ainda as políticas de proteção no comércio mundial.
Em um contexto de grande incerteza, no entanto, o Executivo comunitário não descarta “uma recuperação melhor que o esperado”, especialmente se a situação da pandemia “permitir uma suspensão mais rápida das restrições”.
A Comissão prevê uma recuperação generalizada do PIB em 2021, a 6,1% para o conjunto dos 19 países da Eurozona. O crescimento seria de 7,6% do PIB na França, de 7,1% na Espanha e de 6,1% na Itália, assim como de 6% em Portugal e de 5,3% na Alemanha. Para o conjunto dos 27 países da UE, a Comissão prevê uma contração de 8,3% do PIB em 2020, seguida de uma expansão de 5,8% em 2021.