Mulheres, jovens e trabalhadores com baixos rendimentos são os mais atingidos, segundo relatório. A pandemia de Covid-19 está se transformando em uma crise de empregos muito pior do que a crise de 2008, segundo relatório divulgado nesta terça-feira (7) pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).
O estudo destaca ainda que mulheres, jovens e trabalhadores com baixos rendimentos estão sendo os mais atingido pela pandemia.
A taxa de desemprego no conjunto dos países da OCDE caiu para 8,4% em maio, após saltar 3 pontos percentuais em abril, para 8,5%, a maior taxa de desemprego em uma década. Em fevereiro de 2020, estava em 5,2%. O número de desempregados na área da OCDE era de 54,5 milhões em maio.
A organização estima que, mesmo no cenário mais otimista para a evolução da pandemia, a taxa de desemprego em toda a OCDE pode atingir 9,4% no quarto trimestre de 2020, superando todos os picos desde a Grande Depressão.
“Espera-se que a parcela de pessoas no trabalho ainda esteja abaixo dos níveis pré-crise, mesmo no final de 2021”, destacou.
OCDE prevê recessão mundial de pelo menos 6% em 2020 e queda de 7,4% do PIB do Brasil
Desemprego sobe para 12,9% em maio e país tem tombo recorde no número de ocupados
Nos EUA, diferença no desemprego entre negros e brancos é a maior em 5 anos