O auxílio emergencial de R$ 600 foi fundamental para os 30% mais pobres da população brasileira e representou em média 93% da renda dos domicílios dessa fatia da população, que não está no mercado formal e que ficou sem ganhos em decorrência da pandemia do coronavirus. Os dados estão em um estudo da Secretaria de Política Econômica e que será divulgado pelo Ministério da Economia.
A análise feita pela área técnica da SPE, baseado em dados da PNAD Covid19, do IBGE, mostrou que o auxílio emergencial conseguiu melhorar o padrão de vida de mais de 23 milhões de brasileiros das fatias mais baixas da população, concentrando nos informais, desocupados e que estavam fora da força de trabalho.
Os domicílios de rendas mais baixas foram também os mais impactados pela pandemia do coronavirus.
Entre os que já recebiam o Bolsa Família, por exemplo, o aumento da renda média triplicou – o auxílio emergencial paga R$ 600 em geral e R$ 1,2 mil para mães que sustentam sozinhas a família. Já o Bolsa Família paga em média benefício de R$ 190.
Segundo o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, o estudo é um “convite ao debate”.
“Como sociedade, precisamos debater onde alocar os recursos arrecadados pelo Estado. Se na população mais pobre, com o reforço de programas sociais, ou se continuamos com uma distribuição desigual”, afirmou.
A discussão deve ganhar fôlego com o fim do auxílio emergencial, em setembro, em meio à recessão econômica causada pela pandemia e que deve trazer reflexos na economia ao longo dos próximos anos.
Initial plugin text