Cápsula permite isolamento e filtra o ar exalado pela pessoa socorrida, para que não haja contágio entre o atendido e o socorrista. Estado ganhou 16 unidades do equipamento. Maca bolha
Reprodução/TV Globo
Com a pandemia da Covid-19, profissionais de saúde que atuam na linha de frente têm usado vários tipos de aparato de proteção. O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais adquiriu um novo equipamento para ser usado no transporte de pacientes com suspeita ou confirmação da doença.
É uma cápsula chamada “maca bolha”, que faz isolamento e filtra o ar exalado pela pessoa socorrida, para que não haja contágio entre o atendido e o socorrista.
“Isso dá segurança ao socorrista e à população de uma forma geral”, disse Cristiano Soares, capitão do Corpo de Bombeiros.
Além da “maca bolha”, bolsas anti-infecção, impermeáveis e de fácil desinfecção serão utilizadas pelos militares no socorro às vítimas cuja situação – contaminadas ou com suspeita de Covid-19 – for anunciada na solicitação do atendimento.
Foram adquiridas 16 “macas bolha” para atendimento a pacientes não graves com infecção por Covid-19 confirmada ou forte suspeita. O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais é uma dos poucas corporações do país a contar com o equipamento a “maca bolha” é um investimento considerado inovador, pois permite que a vítima receba um fluxo de ar no seu entorno, que passará por um filtro, impedindo que a guarnição tenha contato com o ar contaminado.
Sobre o equipamento
A “maca bola” permite isolar completamente o paciente no interior de uma cápsula selada, em que há um sistema de pressão negativa que injeta ar respirável em seu interior, mas que só permite a saída do ar exalado pelo paciente por meio de elementos filtrantes, que são trocados a cada atendimento, momento em que todo o equipamento passa também por uma limpeza e desinfecção completa. Dessa forma é minimizada a exposição do bombeiro militar e também o interior da unidade de resgate e demais ambientes em que transitar a guarnição.
Foram adquiridas – e já distribuídas – 1.160 bolsas destinadas a equipamentos de atendimento pré-hospitalar e oxigenoterapia. Além disso, foi realizada uma redistribuição do estoque que estava disponível em todas as unidades operacionais do Corpo de Bombeiros de MG de forma proporcional à média histórica estatística dos atendimentos de cada uma.
A corporação realizou, também, distribuição de equipamento de proteção individual (EPIs) e materiais para a limpeza e desinfecção de viaturas, materiais e ambientes, e investiu ainda na compra de (EPIs), tenda de descontaminação e distribuição de materiais para assepsia nas unidades.