Câmeras de monitoramento registraram a chegada do casal, que já estava brigando. Polícia Civil vai investigar celular dos envolvidos para entender dinâmica do crime. Imagens mostram casal brigando no corredor do apartamento em Praia Grande, SP
Imagens de câmeras de monitoramento obtidas pelo G1 nesta quarta-feira (8) mostram que o homem suspeito de matar esganada a namorada Stephanie Oliveira Barbosa, de 28 anos, estava sozinho com ela no momento do crime. No vídeo (assista acima) é possível ver a hora que o casal chega no apartamento localizado em Praia Grande, no litoral de São Paulo. Em outro registro, o irmão aparece indo embora da residência, momento em que os dois ficam sozinhos.
Segundo apurado pelo G1, o casal estaria brigando antes mesmo de chegar na casa, no dia anterior da morte da vítima. De acordo com a Polícia Civil, os dois voltavam de uma festa. Nas imagens é possível observar o carro chegando no prédio, e os dois subindo em elevadores separados. A vítima sai primeiro do elevador e espera em frente à porta do apartamento.
Em seguida, o namorado de Stephanie, que estava em outro elevador, sai e a encontra no corredor. Na imagem seguinte, o homem levanta a mão, como em uma discussão com a jovem. Segundo a polícia, a situação confere com o depoimento do irmão da vítima, que alegou que os dois brigaram na noite anterior à morte da jovem.
Suspeito de matar namorada brigando com ela no dia anterior da morte
G1 Santos
As outras imagens mostram o dia seguinte pela manhã (veja vídeo abaixo). O irmão de Stephanie, que estava no apartamento, aparece saindo da casa, e os dois ficaram sozinhos. Quase meia hora depois, o namorado da jovem sai levando o lixo, momento em que alega ter ido ao dentista. Câmeras do prédio mostram que, ao retornar, ele estava com o celular que seria da jovem em mãos.
A Polícia Civil explica que há a suspeita de que ela estaria morta no momento que o homem foi ao dentista, mas a situação ainda será apurada. Depois, por volta de 10h, ele retorna ao apartamento, quando liga para a amiga da vítima ir ao local para reanimá-la.
Vídeo mostra irmão da vítima indo embora e namorado voltando para apartamento
O caso, registrado inicialmente como morte suspeita, começou a ser investigado como feminicídio pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Praia Grande depois do laudo de morte por asfixia. Segundo a polícia, ele confirma que Stephanie foi esganada. Além disso, a investigação observou diversas inconsistências no caso, como o fato do namorado não ter chamado o Samu imediatamente.
“O mais curioso é que esse suspeito informou que, quando encontrou a vítima, em vez de chamar o Samu, chamou uma amiga dela que era da área da saúde. Algumas situações geraram estranheza. Foram alguns rastros que ele foi deixando [que encaminharam a investigação]”, diz a delegada da DDM Lyvia Bonella.
O próximo passo da investigação é a inspeção nos celulares dos envolvidos. Segundo a polícia, essa inspeção será essencial para entender como tudo ocorreu na manhã da morte da jovem, já que foram encontradas mensagens enviadas do celular dela para amigas, como se Stephanie estivesse passando mal.
Entenda o caso
Jovem atuava na área da saúde e foi encontrada morta na sua casa
Reprodução/ Facebook
Stephanie foi morta no dia 26 de junho, mas o namorado foi preso como principal suspeito apenas na primeira semana de julho. A delegada Lyvia Bonella, explicou que, no dia da morte, os policiais ouviram vizinhos e amigos da vítima, e nenhum deles escutou qualquer discussão. Entretanto, o irmão da jovem, que morava junto com ela, relatou que, no dia anterior à morte, o casal havia brigado.
O irmão da vítima estava na residência junto com o casal, mas deixou a casa na manhã da morte da jovem para ir ao trabalho. Ele teria saído meia hora antes, e no momento da morte, os dois ficaram sozinhos no apartamento. Com a chegada da polícia, o próprio suspeito alegou que fez massagem cardíaca para tentar reanimá-la.
Uma amiga da vítima, que preferiu não se identificar, contou ao G1 que já sabia que o relacionamento entre os dois era abusivo. Ela relata que a colega havia comentado sobre o namoro deles uma vez e um comportamento estranho da parte dele. A polícia ainda informou que ele já foi denunciado por uma outra vítima, que registrou um boletim de ocorrência o acusando de violência doméstica.
Ainda segundo a polícia, o suspeito parecia manter relacionamento com a ex-mulher, que tem um filho dele e está grávida de cinco meses. Apesar da informação, a polícia ainda apura para entender como era a relação do casal e se o antigo relacionamento motivou ou não a discussão.
Caso foi encaminhado para a Delegacia de Defesa da Mulher de Praia Grande, SP
Divulgação/Governo de SP