Segundo o governo, 19 municípios da Regiões Carbonífera e Costa Doce, que estão ligados à Região Metropolitana de Porto Alegre, deverão ser separados para formar uma nova região Covid. Com 40 leitos criados, Regiões Carbonífera e Costa Doce deverão ser agrupadas no mapa do distanciamento controlado
Reprodução
O mapa do distanciamento controlado no RS deve ter uma nova região Covid, conforme anunciou o governador do estado, Eduardo Leite, nesta quinta-feira (30). Os 19 municípios da Região Carbonífera e Costa Doce, atualmente integrados a Porto Alegre, formariam a 21ª região Covid.
A proposta será levada às prefeituras, para ser analisada e se for validada, passará a valer a partir da semana que vem, na 14ª rodada do distanciamento controlado.
Entenda os protocolos atuais do distanciamento controlado
Conforme o governo, a criação da nova região será possível após a abertura de 40 leitos de UTI em Guaíba, Camaquã, Charqueadas e São Jerônimo. Antes, a região não contava com unidades intensivas.
“Era uma demanda dos prefeitos de que pudessem ser analisados não no contexto da Capital, mas pelos seus próprios indicadores. Vamos validar esta iniciativa com os municípios nos próximos dias e, se for adequado, teremos a 21ª região a partir da 14ª rodada (mapa preliminar divulgado em 7 de agosto)”, afirmou Leite.
“No trajeto de Pelotas em direção a Porto Alegre não tínhamos nenhum leito de UTI. Agora temos 40. Será um legado que deixaremos pós pandemia”, disse a secretária de Saúde, Arita Bergmann.
Confira as cidades que estarão na 21ª região
Arambaré
Arroio dos Ratos
Barão do Triunfo
Barra do Ribeiro
Butiá
Camaquã
Cerro Grande do Sul
Charqueadas
Chuvisca
Dom Feliciano
Eldorado do Sul
General Câmara
Guaíba
Mariana Pimentel
Minas do Leão
São Jerônimo
Sentinela do Sul
Sertão Santana
Tapes
No mapa atual, oito regiões estão em bandeira vermelha e 12, em bandeira laranja.
O próximo mapa será divulgado nesta sexta-feira (31), e valerá a partir da próxima terça (4). A nova rodada já terá uma mudança: o governo passará a considerar na análise o número de pacientes que vierem de outras cidades e quantos forem internados, mas não são moradores daquele município. Se o saldo impactar nos indicadores do cálculo final de uma determinada região, não terá a bandeira agravada, disse o governador.
Isso significa que, por exemplo, caso uma região tenha sido classificada como vermelha por ter recebido mais pacientes de fora do que mandou, ela poderá ficar como bandeira laranja.
“A intenção não é punir, é estabelecer o distanciamento necessário pra evitar que o vírus circule. Se a cidade está recebendo (pacientes) de fora, não é por causa da circulação do vírus na cidade”, afirmou.