As cestas foram entregues na 1ª semana de agosto e continham linguiças fora do prazo, segundo moradores de Pirituba, na Zona Oeste. Prefeitura diz que “abrirá processos administrativos para averiguar” itens e ordenou retirada de produtos perecíveis das cestas no momento da entrega. Data de validade vencida da linguiça distribuída em cesta básica na região de Pirituba, Zona Oeste de SP, no início de agosto.
Acervo pessoal
Beneficiários do programa “Cidade Solidária”, da Prefeitura de São Paulo, alegam ter recebido cestas básicas com linguiças fora do prazo de validade na região de Pirituba, Zona Oeste da capital paulista. Os itens com validade para junho e julho foram entregues na primeira semana de agosto nas escolas municipais que fazem a distribuição das cestas básicas às famílias cadastradas da região.
A operadora de caixa Anna Souza retirou a cesta básica na EMEI Olga Calil Menah e diz que só percebeu que a linguiça estava fora da validade quando abriu os produtos em casa.
“O pacote de linguiça veio sem vácuo e fora da validade. Ainda que tivesse com vácuo, a gente ainda podia aproveitar, mas nem isso… Tenho medo de dar para os meus filhos, são duas crianças pequenas. Eu vou dar e vai que acontece alguma coisa?”, relata.
Ao reclamar na escola, Anna disse que foi informada por uma professora de que as cestas foram repassadas pela prefeitura e que a escola estaria apenas fazendo a distribuição, conforme lista do Cadastro Único (CadÚnico) da própria gestão municipal.
Posto de coleta de doações para o programa “Cidade Solidária”, da Prefeitura de São Paulo.
Divulgação/PMSP
Outro caso aconteceu com a diarista Cibele Neves da Silva. Ela conta que, antes de retirar a cesta, os atendentes da EMEF Monteiro Lobato informaram que as linguiças estavam estragadas, com vencimento para julho, e que seria necessário recolher o produto. Em seguida, Cibele afirma que foi encaminhada para assinar um termo declarando ciência da retirada da linguiça da cesta básica.
A diarista também conta que na escola havia cestas com outros itens estragados: “Quando cheguei lá, eles estavam abrindo a minha [cesta], mas tinha um carrinho de mercado de um lado e aí uma outra moça da diretoria pegou. Tava um cheiro muito ruim, um cheiro horrível. Aí a moça pegou e saiu espirrando perfume pela sala e disse: ‘esse cheiro é porque veio duas sardinhas estragadas'”, conta ela.
Procurada, a Secretaria Municipal de Educação informou que “abrirá processos administrativos para averiguar os procedimentos adotados pela Diretoria Regional e unidades de ensino para a distribuição das cestas básicas” e que, por prevenção, “as unidades que funcionaram como ponto de distribuição foram orientadas a retirar todas as linguiças ou qualquer alimento perecível antes de entregarem a cesta aos beneficiários.”.
Prefeitura cria rede para receber doações a famílias carentes de SP; veja endereços para doar
Cidade Solidária
O programa “Cidade Solidária” é uma iniciativa da Prefeitura de São Paulo e de diversas entidades da sociedade civil organizada, para ajudar as pessoas em situação de extrema vulnerabilidade durante o período da pandemia do novo coronavírus na cidade. A iniciativa conta com doações de ONGs, empresas e pessoas físicas, além de ajuda do governo do estado de São Paulo, por meio do projeto “Alimento Solidário”, que repassa cestas de alimentos para que as prefeituras façam a distribuição.
De acordo com a Secretaria de Desenvolvimento Social do estado, já foram entregues mais de 1,1 milhão de caixas de alimentos para famílias em situação de vulnerabilidade no estado, através do “Alimento Solidário”. O programa beneficia a população em situação de extrema vulnerabilidade, com renda de até R$ 89,00 per capita mensal, cadastradas no CadÚnico.
Segundo a gestão estadual, 4 milhões de pessoas já foram beneficiadas no programa no estado e 445 mil caixas de alimentos do projeto já foram distribuídas na capital paulista.
Alimentos do programa “Cidade Solidária”, da Prefeitura de SP, que ajuda famílias em situação de vulnerabilidade na capital durante a pandemia.
Divulgação/PMSP
Questionada sobre os itens estragados das cestas, a secretaria declarou em nota que “qualquer intercorrência referente aos produtos das caixas deve ser imediatamente comunicada pelas prefeituras às Diretorias Regionais de Assistência e Desenvolvimento Social. Com a notificação formalizada, uma visita técnica é realizada com os agentes da Secretaria para avaliação e solução do caso. E que caso os insumos estiverem fora do padrão, é recomendada a imediata reposição, sem qualquer alteração na característica do produto.”
Íntegra a nota da Secretaria Municipal de Educação:
A Secretaria Municipal de Educação informa que abrirá processos administrativos para averiguar os procedimentos adotados pela Diretoria Regional e unidades de ensino para a distribuição das cestas básicas. Por prevenção, as unidades que funcionaram como ponto de distribuição foram orientadas a retirar todas as linguiças ou qualquer alimento perecível antes de entregarem a cesta aos beneficiários. Em toda cidade foram distribuídas 400 mil cestas básicas, doadas pelo Governo do Estado de São Paulo, por meio do Programa Cidade Solidária. É importante ressaltar que essa distribuição não faz parte do programa de assistência realizado pela Secretaria Municipal de Educação; e que com foco nos estudantes da rede municipal, foram investidos R$240 milhões na distribuição e entrega de cartões merenda para 1 milhão de estudantes. O cadastro para recebimento deste cartão está aberto até o dia 09 de agosto, através do link: https://educacao.sme.prefeitura.sp.gov.br/cartao-merenda/ .
Íntegra a nota da Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado de São Paulo:
“A Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado de São Paulo informa que foram entregues mais de 445 mil caixas de alimentos do programa “Alimento Solidário” ao município de São Paulo, com todos os produtos em condições próprias para consumo. A pasta social do Estado orienta que qualquer intercorrência referente aos produtos das caixas deve ser imediatamente comunicada pelas prefeituras às Diretorias Regionais de Assistência e Desenvolvimento Social. Com a notificação formalizada, uma visita técnica é realizada com os agentes da Secretaria para avaliação e solução do caso. Se os insumos estiverem fora do padrão, é recomendada a imediata reposição, sem qualquer alteração na característica do produto. A Secretaria se mantém aberta para qualquer esclarecimento e reforça que monitora constantemente todas as regiões que atendidas pelo programa.
Sobre o ‘Alimento Solidário’
A Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado de São Paulo, em parceria com a iniciativa privada, já distribuiu 1,1 milhão de caixas do programa ‘Alimento Solidário’, garantindo a proteção social de 4 milhões de pessoas no Estado. O programa beneficia a população em situação de extrema vulnerabilidade, com renda de até R$ 89,00 per capita mensal, devidamente cadastradas no CadÚnico”.
* Com supervisão de Rodrigo Rodrigues
Programa da prefeitura vai organizar doações de pessoas e empresas
Initial plugin text