Com o isolamento social, muitos consumidores deixaram de comprar os produtos. O G1 conversou com lojistas e vendedores que confirmaram a baixa, mas que já registram procura devido à Onda Amarela, que permite abertura da categoria. Loja ‘Botânica’ produz cosméticos veganos e naturais
Loja Botânica/Divulgação
O setor de cosméticos em Juiz de Fora registrou queda nas vendas durante o início da pandemia do novo coronavírus. A informação foi constatada durante uma pesquisa do G1, que conversou com lojistas e vendedores sobre o assunto.
Contudo, apesar disso, muitos deles também se reinventaram para se manterem no ramo e agora investem mais, já que atualmente a cidade está na Onda Amarela do programa Minas Consciente, que permite que a categoria abra as portas.
Queda nas vendas
Segundo a gerente de umas das lojas da Mega Vale, Ana Paula de Oliveira, as vendas tiveram uma queda muito grande no início da pandemia. “O setor de maquiagem, por exemplo, caiu mais de 50%”. O estabelecimento que ela trabalha também vende produtos de higiene, entre outros.
Aa bióloga e doutora em desenvolvimento rural, Michele Laffayett, é uma das sócias da loja “Botânica”. Ela disse à reportagem que em março ocorreu uma queda no faturamento. O local produz cosméticos naturais e veganos.
No início ficamos preocupados porque investimos tudo no estoque de novos pontos de vendas. Com o fechamento deles, tomamos a decisão de pegar de volta e fizemos um trabalho de marketing digital nas redes sociais e no nosso e-commerce
Loja ‘Botânica’ fica na Rua Doutor João Penido Filho, 232, em Juiz de Fora
Loja Botânica/Divulgação
À frente da loja “Cartola Cosméticos” desde 2014, Carla Cristina Severino, disse que “houve baixas em produtos essenciais, como como desodorantes, sabonetes e higiene pessoal”. A revendedora Sara França contou ao G1 que começou a trabalhar no ramo em 2011, no Bairro Benfica, e também notou o movimento fraco. “Estavam péssimas as vendas. Tivemos uma queda de 50%”, comentou.
Retomada do setor
Com a reabertura do setor diante da Onda Amarela do Minas Consciente, os donos de estabelecimentos voltaram a notar o aumento das vendas. “Estamos em patamar de 30% acima do que tínhamos antes da pandemia e repondo os estoques nas lojas que temos no Rio de Janeiro”, disse com expectativa, Michele Laffayett, da Botânica.
Conforme Carla Cristina, da “Cartola Cosméticos”, ocorreu um retorno bom no mês de agosto. “Esperamos melhorar nos próximos meses. E a procura por delivery também já caiu”, ressaltou.
Produtos vendidos pela revendedora Maria Schanuel em Juiz de Fora
Maria Schanuel/Divulgação
Alternativas durante a pandemia
Por causa da pandemia, a professora de ciências biológicas, Maria Schanuel, virou consultora de beleza Natura. “Eu vendo produtos importados que eu compro nos Estados Unidos, mas por causa da situação tive que parar com as encomendas e vi na venda de cosméticos uma oportunidade de complementar a renda.
“Minhas vendas ainda são poucas, mas estou conseguindo cumprir as metas”, finalizou.
Em maio, o G1 também contou histórias de profissionais de beleza que também tiveram o trabalho modificado por conta da pandemia.
Veja mais: Profissionais da beleza em Juiz de Fora adotam estratégias para driblar prejuízos por conta do coronavírus
Loja ‘Carlota Cosméticos’ fica no Centro de Juiz de Fora
Carlota Cosméticos/Divulgação
Initial plugin text